Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

segunda-feira, 14 de agosto de 2006

Meu tempo

Meu tempo é rápido como vento em polvorosa.
Mas, corre distante para que, assim, possa vê-lo lentamente passar.
Ele me sufoca e me apavora os olhos.
Faz de mim a morte, mas a sorte não me deixa levar.

Meu tempo é triste como homem só em noite de lua cheia
Mas faz de mim piada para me ver gargalhar.
Ele me machuca, destrói dentro de mim.
Faz de mim abismo, mas meus sonhos não me deixam acabar.

Meu tempo é castigo antigo como noite sem sonhar.
É lembrança tão presente nesta minha mente que tanto insiste lembrar.

Poesia de Anderson Moço


Um comentário:

  1. Parabéns rapazes!
    O blog está lindo adorei todas as poesias, mas "Meu tempo" me tocou.
    Sucesso para vocês!!!!!

    Clênia

    ResponderExcluir