Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

domingo, 9 de dezembro de 2007

Ser Calmociteno

Poésia de Vilauba Herrera
http://www.resmungosnovos.blogspot.com/


O sol socou-lhe a cara, depois das 12 horas.
Acordou flácido e com o queixo dolorido.
Para não pregar os olhos, tomou um comprimido.
Gole de vinho avinagrado para acelerar a melhora.

Dizia que não existe bom dia pela manhã.
A raiva quente ao bocejar, que lhe domina
cuidava com banho frio e aquela dose de Ritalina
Já no metrô, se acalmava com um drops Diazepan.

Baldeação, tumulto e correria até o final.
Descia louco, xingava todos, "Vão pra puta que pariu!"
Entrava na primeira lanchonete: "Me arranja um Rivotril"!

O dia passava soturno, não olhava pela janela.
Procurava alguém, inconformado, louco por um revide.
Mas só encontrava o caos que almejava, dentro de um Dualid.

Nenhum comentário:

Postar um comentário