Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cloridrato de Diamantina

O dia mantinha
seu rumo
quando, de tardezinha
olhei
dentre os teus olhos
fundo
Depositei esperança
Uma aposta
decisiva
em teus lampejos
e cada um de Teus trejeitos
Treme tudo o que vejo
No tempo que tenho
Para estar contíguo
Te enxergo
Cego
Em meu peito

Tenho uma Casa

Do tanto que já andei por aí
Do tanto que vou andar
posso dizer, sem problemas
eu tenho um lar

Por mais que não tenha destino
Por mais que não tenha fim
posso dizer de estopim
tenho onde ficar

Mesmo que não saiba onde
Mesmo que não saiba quando
tenho que dizer agora
eu tenho uma casa

Tão Tanto com Tudo


Onda de Fundo


Anos Luz


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Pérfuro Cortante

De uma lapada
uma secada em teu corpo
uma palavra

Em um instante só
num estalo
te separei

Numa carona dada
uma conversa curta
muito sentido

A tua resposta
machuca e corta
o meu destino

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Casa de Apostas

Nesta reta final,
as equipas estão muito inconstantes,
os jogadores estão muito inconstantes
e os resultados são imprevisíveis.
Um gajo há de ganhar
qualquer coisa
pra saber o que fazes
Como ganhei de presente
a nuvem que me fez sentar
no banco de azulejos azuis e brancos
do outro lado da calçada,
na frente do coreto,
às margens do rio,
que assistiu passivamente
o escaldar dos nossos
últimos dois anos
As pombas
já quase bicam meus pés
por me pensarem morto,
um alimento inglório,
envenenado
de rancor e suor
E ainda penso nas sardas do seu rosto
que ainda me parecem constelações
de astros que fuzilam
o sentido do meu universo
E acima do Paralelo 38
tudo é receio
Já de volta à sacada
onde passo a maioria dos meus dias
De onde já não vislumbro
o semblante do mosteiro,
fábrica de frígidas,
tomo um cigarro
e o café
Já é outro dia,
já são outros tempos
O tempo tem outro clima
e outro, o mundo que vejo
Sentado
no alto da Rua da Alegria
na esquina da Couraça da Estrela
o frio caminha comigo
faz tremer as frias pernas
da estudante que passa
em seu traje negro
Já é outro sítio
Já é outro tempo

domingo, 23 de abril de 2017

#rancateta

Eu chupo
como se mundo
não houvesse
como se ninguém
me ouvisse
e de fato não se houve
Eu sugo
como se fundo
não tivesse
como se nenhum vaso
fosse raso
e, de certo, não há fim
Eu curto
como se o couro
não puxasse
e esticasse
toda minha pele
até a mim

terça-feira, 18 de abril de 2017

Dou-me

Vou te contar um segredo:
- Eu tenho medo!
Tenho medo de sair
Tenho medo de não ser
Tenho medo de ser demais
e tenho medo de já não ser mais
Tenho medo de ser engolido
e engolir o mundo todo
Tenho medo de escapulir
e de estar sempre vindo
Tenho medo do mundo
Tenho medo de quase tudo
Tenho medo de você
Tenho muito medo de mim
Também tenho medo do escuro
Eu tenho medo do absurdo
por ter medo do buraco
que o medo deixa em mim
Vou contar pra você:
- Eu tenho, mesmo, medo do mundo
Mas me mete medo mesmo
a coragem que o medo me dá!