Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Pingo ou Pau

Se passa o correntão
e tomba o tronco,
não cai o pingo,
não junta nuvens.
Atrapalha o sistema
e retorna o sintoma,
lhe seca o seio.

Qualquer que seja atitude
tem magnitude
altera o trânsito dos dados
põe-se a injuriar reflexos
torna o meio mexido,
qualquer química aquecida
por um comportamento enriquecido.

A modificação por meio agressivo
provoca pânico progressivo
se desequilibra as medidas
que lhes conformam acolhidos
sob condições contidas.
Uma distensão desaparecida
em mundos inimagináveis.

Seus atos sendo comedidos
ajustam todos os sentidos
ao tempo de outros mecanismos
em cadenciada sincronia.
Assim, outros seres vivos
e demais componentes químicos
marcham em conjunta harmonia.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

INTIMAÇÃO

Ama-me como a TI
Além dos Limites
e imite o Mito
em que te Meti.

Tu tens o que Prometi,
todos os meus Horizontes
e após Partir
Persistes!

Meu Time atua por Ti
se tens Tons Tristes
para me aTingir.

Pinte-me com tuas Pintas
Pratique-me
ou não posso Existir!

Bola Nossa

Galo ou Raposa?
COELHO!

Universal do Reino do NÃO

Atenção!
Garçonetes, colegas de trabalho
garimpeiras ministeriais.
Procura-se um reino perdido
Entregue ao temor
Desencanto renovado,
destino destruído
Um ponto pacífico
afinal
Atenção!
destruidoras de lares, beatas,
vizinhas comensais,
Imperadores da inexistência.
Procura-se o desapego
o desencontro informativo
a desintrusão corporal
Atenção!
colegas da escola,
confraria da fralda.
Desimportantes soluções
são impostas
Requerem apreço
aos percalços
do que se prende afora
Confundem o acordo
Atenção!
Ascensoristas da escada abaixo,
rejuntadores do fundo de quintal.
Há um novo aplicativo na praça
baixe seu jornal
forre a gaiola
Vem aí o temporal
Atenção!
esperadores da agonia,
espectadores do absurdo,
impulsivos pares.
Hoje é o dia da paz
Toca o bonde do astral
em fogosa sincronia
para cada qual
Atenção!
motoristas do acaso,
psicanalistas do desejo,
corretores do inferno.
Lastreia-se pudores
em utópicos acontecidos,
impossíveis insinuações
alistados em passado
descontinuado
Atenção!
Usineiras da emoção,
faxineiras da beleza,
madeireiras das convicções.
Os dias estão contados
caíram na conta
Pregaram a receita
mas não resolvem
o sinal

Devenir

O que mais me importa
não são portentosas potências,
calorosas cadências,
a razão de existir.

O que mais me toca
não são sutis diferenças,
abismais semelhanças,
as condições impostas.

O que mais me move
não são senis pensamentos,
profundos comportamentos,
a gana em questionar.

O que mais me incomoda
não são vãs violências,
vorazes demências,
desejar devir.

O que me ceifa agora
é ver tudo afora,
não ter outra escolha,
ter que digerir.

Queira

Quero alguém pra mexer nos meus livros, bagunçar minhas gavetas, chacoalhar minha vida.

Alguém que encante meus dias, que me tenha como seu encanto, igualmente.

Quero alguém que respire meus cheiros. Sinta meus medos. Venha comigo. Juntos.

Alguém que destampe meus poros, que me tampe de novo. Alguém que me encha de espaço.

Quem aprecie meus mitos. Minhas histórias inventadas pra justificar. Tudo.

Quero alguém pra dividir meu casaco. Pra dormir comigo os dias. Sonho.

Alguém que carregue as angústias, leve embora os temores. Desanuvie.

Quem não se importe com a louça. Viva aos pedaços, momentos.

Quero alguém pra fazer cafuné. Que me diga as coisas boas da vida.

Alguém que pertença a si mesma, sem me dominar.

Quero alguém que queira.

Pois eu quero também!

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Só Movemos

  Vemos
                     como somos
  Somos
                       o que vimos
ViVemos

sábado, 25 de outubro de 2014

Estado em SI

O indivíduo, em sua identidade,
é só quem pode determinar
o modo melhor como age.

Se há de ser inteiro ou metade,
fugir de sua verdade,
só cabe a si decidir.

Um cidadão pode se descuidar
pode ser covarde
e há que se conformar!

Se quiseres ser o que fores,
tem de ter aqui e alhures
limites aos teus Limites.

se tenta impor teus ardores
além dos de teus detratores,
toma o troco no mesmo ato.

Quem ultrapassa a proteção de si,
delineada lado a aliados,
bota o papo todo em choque,

                   em conFissão nuclear.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

DANI-SE

NOS NÓS
NÓIS DOIS
DANADOS
NOS DAMOS
DESNUDOS
SEM DÓ

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Castelo de Areia


Forte mesmo
só debaixo do edredom,
onde destrono minha dor
e ninguém me vê chorar.

Paredes protegem meu castelo,
desfarelam como areia.
Há janelas gradeadas que me cegam,
portinholas que me trancam.

Na masmorra me consolo,
sinto-me o solo
de uma fortaleza
movediça.

domingo, 28 de setembro de 2014

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

iLuSão


Nem te conheço,
mas já te sinto nas mãos.

Não sei tua feição,
mas te suponho no sonho.

Eu não sei quem tu és,
mas te tenho
___________ILUSÃO...

Nem sei o teu nome,
mas já te dou apelidos.

Não sei o que pensas,
mas te imagino poemas.

Eu não escuto tua voz,
mas silencio os
_____________SUSSURROS.

Nem sei onde vives,
mas já te trago adereços.

Não conheço tua rua,
mas já transito teu seio.

Eu não vejo teu quarto,
mas teu lençol,
_____________INCENDEIO!

Engenho


Por onde anda o tempo
em que me perdi?
O tempo passado,
sem estar aqui.

Por onde anda o tempo
dos meus anos?
O tempo vivido
sem encanto.

Por onde anda o tempo
do sonho roubado?
O tempo acabado
em sono profundo.

Por onde anda o tempo?
Por onde anda a vida?
Por onde ando eu,
perdido, sem rumo.

Por onde anda o tempo
das ondas viradas?
O tempo das pedras,
dos passos pisados.

Por onde anda o tempo
que me enrugou?
O tempo que leva
o que me sobrou.

Por onde anda o tempo
dos ventos soprados?
O tempo esquecido,
nunca mais lembrado.

Por onde anda o tempo?
Por onde anda a vida.
Pra onde √ai querida,
me leve daqui!

Descortine-se


Ter de deixar ir um conhecido ou ir é abrir espaço para novas pessoas que se possa conhecer. 

Mas causa um incômodo repugnante despedir-se. Como quem fosse, deixasse de existir, como tivesse existido apenas ali naquele trecho, num lapso só. 

Por vivermos tão sozinhos em um mundo tão cheio, no tempo em que despertamos para o encantamento da vida, impera a gana de compartilhar. 

Ao se entregar aos outros, conhece mais a si. Passa a identificar no comportamento alheio, suas características. Tem sempre alguma coisa de você no jeito do outro. 

Talvez isso torne tão duro partir. Separar-se é ver-se morrer um pouco. A vida que gostaria de ver refletida no próximo se esvai. 

Conhecer e deixar-se conhecer é descobrir-se.

Como Pedra


Deitado sobre a pedra,
abraçado a ela,
incorporado.

Manchado como ela.
Uma mancha nela,
um pedaço.

Duro como a pedra,
esparramado nela,
amolecido.

Parado como a pedra,
compassivo com ela,
emparedado.

Redondo como a pedra,
talhado por ela,
amealhado.

SurubUs


Pra que vivem os Urubus? 
Pra comerem a carniça 
restante da pescaria? 

Limparem a praia de hostis dejetos? 
Serem símbolo de clube? 
Anunciarem a morte? 

Acontece que os urubus 
não vivem para os nossos olhos, 
mas para o vento, 
a montanha e o mar. 

Vivem para a vida. 
Confrontarem o tempo,
plainarem na brisa, 
pisarem na areia 
e revoarem. 

Bem como nós, 
bichos, 
que também podemos voar!

BRAVO

Desce a água de um Rio fugidio
de encontro ao Mar
Cantam Aves seus piares e arrepio
sem saber cantar
Correm, entre as Folhas, Alevinos
Pairam Pedras sobre o leito
Troncos finos às espreitar
Carangueijos nutrem a terra pequeninos
sob a sombra da folhagem seca
Tecem teias, as Aranhas, por famintas
e os Insetos têm de escapar
Entre as ondas, surfam Peixes graudinhos
sem prancha para os levar
As Gaivotas sobrevoam um Cardume
vez em quando furam o Mar
O Pato d'água nada e afunda
para alimentar
Observam, os Urubus, em alto vôo
ventam-se atoa
Lá ao fundo, há um burburinho
que se move na harmonia de Golfinho
Atrás das Sardinhas
tantas são, tadinhas
Lá na Ilha, outra vida nos espera
mas a Selva assevera:
Deixe o Homem pra lá!

Refúgio


Fujo da opressão, dos prédios, por sacrilégio, das ruas cheias, das pessoas rasas.

Fujo de mim mesmo, do que fui, do que pretendia ser. Das obrigações mundanas, do tédio. Do aluguel do corpo, das contas a prestar.

Fujo das remessas rotineiras de afeto sem traquejo, sem beijo.

Fujo do passado, malogrado. Das histórias infindadas, dos abraços sem pegada.

Fujo das conversas com caminho traçado, com resultado.

Fujo de filosofias saturadas, de cartas marcadas, onde não se pode inovar.

Fujo de um mundo sem pecado, desvairado, onde só se pode acertar. Dos comportamentos marcados, ritmados, rotulados pra pagar.

Fujo de um povo apavorado, que tem tudo, mas insiste em negar.

Fujo para a praia do rescaldo, do meu lado, onde Ser é estar.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

por si só

Como não amasse,
além de mim.
Vivesse um ser
afim de si,
só de si.

Como se trancasse,
comezinho,
ciente de seu ser,
sem conviver
viver.

Como se acomodasse,
sem coexistir,
lhe faz persistir,
em ser alheio,
ao meio.

Esquece se o permitir
seu ser só
por se seduzir,
outrossim,
só sim.

Sem se socializar,
faz passar
o espaço.
Não resta um rastro,

por fim.

terça-feira, 8 de julho de 2014

respiro


Qualquer esperança pra quem não tenha fé,
pra quem coloca o coração no pé.
Qualquer chute desferido pela defesa,
um ato de terror, cometido sem gentileza.

Qualquer sopro, se alguém tiver pulmão,
um respiro na clausura em que vive então.
Qualquer luz vence essa escuridão,
talvez se veja, caso haja, algo de bom.

Qualquer jeito a se dar na desilusão,
qualquer riso entoado ante a multidão
e uma centelha nos faz reviver.

Qualquer vitória sob violação,
qualquer grito árido para a geração
de um novo ritmo para sobreviver.

sábado, 7 de junho de 2014

frente ao fim



foi posto em cimento,
no cal do lamento.
e, assim, nesse posto,
tem-se por suposto.

mas move-se e movimenta
por seu planeta-placenta.
desponta em seu brilho,
provoca temor e arrepio.

pensa se pode ser livre
da condição em que vive,
em um novo ambiente.

só que prende-se ao chão,
pois, os pés o trapacearão
e tudo tornará repente.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

És Tudo


Tem mais cuidado consigo
por apostar no destino,
pois sobrevive ao perigo
tão grande, por ser pequenino.

Controla o passo e o caminho, 
contorna o andor e, cedinho,
levanta o ânimo e seu tino
alarga o que, ainda, for fino.

Não rói mais sua unha,
convence a pedra a virar pluma.
Denomina o seu dono!

Corre por seu propósito
e por estar tão disposto
faz na vida o que faz no sono.

domingo, 11 de maio de 2014

As Mães Nunca São Sinceras


Sem pesar defeitos,
todos eles,
acima disso,
o Amor
por Você.

Belo ou feio,
será Belo,
um ser supremo,
já que feito
pra Vencer.

Ouvido atento
para não dizer
o que, no momento,
possa parecer
tormento.

Um jeito simples
tenta pôr no eixo
o que nem um beijo
conseguiu
fazer.

As suas mentiras
são por ter
na mira
alguém pra
proteger.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Testigo


Juro dizer
nada mais que a verdade
a que sempre me rege,
somente a verdade,
amem!

Prometo, por honra,
ser feita a nossa vontade
nas funções a mim confiadas
na terra ou no céu
também!

Garanto agora
e na hora de nossa morte
agir com probidade,
assim, entre as mulheres,
mamem!

Comprometo-me a perdoar
a quem tenha ofendido,
para a convivência humana,
buscando a paz,
além!

Prometo, por fim,
defender a Liberdade.
Eia, pois, advogada nossa,
já que a ti me confio,
amém!

segunda-feira, 10 de março de 2014

torna-te


Os acontecimentos têm-se
ante à toda relutância
em dar contradição
à essência.

Um ato é tomado
em tortas circunstâncias,
que te dão direção,
transformam-te em ti.

Ao tom da entonação,
no tempo em que te parte,
tens arte, que te faz existir.

Com o acaso à tona,
te torna,
sem termos como resistir.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

consTiTua


me entrosei na panamericana,
após atravessad'os oceanos.
Em ritmo ordenado pela gana,
transitei em torno aos seus enganos.

Ao lhe trilhar em todos os sentidos
fui transformado em parte, aos prantos.
E, caso impeça tal canibalismo,
já vai estar exposta aos danos.

Qual seja o ideário adotado:
fuja ou fique em suporte,
vai ser um código encadeado.

Nos dígitos que nos dão direção,
sou linha avessa à razão
escrita sem ter resultado.