Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O que vier é Verão

Como o tempo que sou,
após o sol se por,
eu entardeço.

Como o clima que tenho,
mando a chuva
após o vento.

Com o frio que sinto,
eu formo gelo
e me contenho.

Passo e não percebo,
apago e escureço.
Eu não tenho nome

Solto as folhas no chão,
nascem as flores e ostento
e, de novo, eu queimo

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Há de Haver

Onde houver conforto,
onde houver carinho,
onde houver sorriso,
faz o seu caminho

Onde houver certeza,
onde houver ternura,
onde houver beleza,
entra e se segura

Onde houver ouvido,
onde houver conversa,
onde houver abrigo,
nada lhe atravessa

Onde houver silêncio,
houver contentamento,
onde houver sentido,
prenda o pensamento

Onde houver razão,
onde houver destino,
onde houver canção,
viva em desatino.

Onde houver tensão,
onde houver lamento,
não houver paixão,
saia de mansinho.

vAdia

A VIDA
AINDA
SURPREENDIA
NO DIA
DA DESPEDIDA
E MESMO NA
COVARDIA
O DIVERTIA

A VIDA
TÁ DIVIDIDA
EM DÁDIVA
E DÍVIDA
A SAÍDA
É DEIXAR
SENTIDO
EM SI

HÁ NADA
EM CIMA,
QUE ENSINA
COMO VIVE
A VIDA
SADIA
DESAPERCEBIDA
E MACIA

Desompensado

Ainda não esqueço a Juliana,
não me esqueço da Amanda,
não se esquece assim.

Ainda não me esqueço da Renata,
não me esqueço por nada.
não me esqueço da Joana.

Ainda não esqueço a Beatriz,
não esqueço se me fez feliz,
não me esqueço da Soraia.

Ainda não esqueço a Adriana,
não se esquece o que engana,
não esqueço a Catarina.

Ainda não esqueço a Margarida,
não lhe esqueço querida,
não se esqueça de mim.

Ainda não esqueço o meu passado,
não esqueço o que me tem cuidado.
Mas agora, só há espaço pra ti.

scendere


Eu quero beber a noite
quero chover
eu quero me asfaltar no chão
quero chorar

Eu quero pilotar a Lua
me pintar de estrelas
eu quero o escuro
para me apagar

Eu quero reascender
quero nascer de novo
me desencontrar

Eu quero me vestir de grama
quero semear
eu quero florescer meu corpo
não quero parar

Café para dois

Que as flores todas sejam rosas
Que todo amor seja dito
Que tudo seja isto
O que sinto por ti

Que os caminhos deem aqui
Que os desejos sejam feitiços
Que estejas comigo
Se estivermos juntos

Que os cheiros se sintam
Que os beijos tenham destino
Que se diga, que se grite
O que me desatina

Que te soltes
Que me tenhas
Que nos tenhamos
Que tudo nos seja pouco

Que este pouco seja tanto
Que nos seja bastante
Que nos encante
E que nos tenhamos pra si

Que um ponto sejam dois
Que teu café para nós dois
Que tua canção
Seja meu pão

E depois

Fetiche

Agora, já pode entrar em todos mares
Mergulhar todos olhares
Navegar no vento
no tempo
Pode deitar o seu intento
Já pode fluir
Agora, já tem mais que pazes
Abraços, beijos e lares
Já pode ser
Já pode sair
Pode voltar
E mais
Agora, já é seu sonho
Já pode viajar
E nunca retornar
Ao ponto
Em que se perdeu
Já pode se encontrar
Consigo
E conseguimos todos
Juntos
Um poucado a mais
E ainda pouco
Pode se encontrar
Aqui mesmo onde está
E muito além
Agora ja pode viver
Pode ser
E se deliciar

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Rabeira

Na beira da escada
A cada degrau
Na beira da estrada
Um passo a mais
Na beira do nada
Tem tudo acertado
Na beira de cada
Bueiro

Na beira se acaba
O passo atrás
Na beira desaba
O seu ideal
Na beira do barco
Navega
Na beira do seu
Litoral

Na beira de cada
Cabeça
Na beira de todo
Boçal
Na beira despenca
Uma pera
Na beira desanca
Seu mal

Na beira encontra
O caminho
Na beira não volta
Pra trás
Na beira de sua toada
Desiste de algo a mais
A beira de sua pessoa
Não tem mais final

domingo, 4 de outubro de 2015

Fadídica


Quando anoitecem os pensamentos,
quando se encontram os corações,
quando reunimos os destinos,
amanhecemos as intenções.

Quando caminhamos juntos,
quando dividimos emoções,
quando anunciamos nossas vidas
acalentamos a condição

Enquanto entardecemos nosso riso,
quando alguém nos dá a mão,
temos novo olhar e viço,
damos novo nome ao compromisso.

Enquanto chove em meu descanso,
quando já não há mais ilusão,
encontro pagamento ao meu serviço,
derreto a alegria em cada vão.

sábado, 19 de setembro de 2015

Atemporal


Te dou um beijo
e nao esqueço mais
desses dias
do teu cheiro
do teu peito
Te levo comigo
Afinal,
tenho um tanto de ti
Sou teu sujeito
indeterminado
Te tenho comigo
e aqui ao lado
estará sempre o sabor
da tua boca
do nosso encontro
No meu destino
e no teu
agindo
intempestivo
Por qualquer caminho
em algum trajeto,
és o meu moinho
que me destrói
e me revigora
Num último beijo,
Toda nossa história 

domingo, 30 de agosto de 2015

Fenêtre

Construímos um mundo de mentiras chafurdadas em sorrisos deslavados, esfregados em nossa cara esfomeada.

Um mundo poluído de desejos, cheio de vontades e tão pouca satisfação.

Arquitetamos nossa rede de contatos bem talhados, todos muito bem informados sobre tudo e todos.
Montamos uma vitrine para o vazio, onde tudo é belo, mas inexistente. Onde o que se vê está longe do presente. Onde tudo tem sentido.

Formamos um consenso sedimentado na discórdia e na raiva, o que reforça a pobreza do mundo mesmo em que vivemos.

Vestimos nossas aparências da riqueza que não temos, damos ares, damos cores, damos cheiros, sem federmos.

Desfilamos nossa festa sem fim, onde bebemos sem cair, onde gozamos sem se foder e rimos, eternamente, sem chorar.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

CrossCountry

Já cansado,
depois de andar pelo planalto rochoso
de sua canela
Subir aos trancos
sua patela
e atravessar em passos pantanosos
por sedas coxas
Exaurido,
depois de escorregar
pela bacia,
planar suavemente
em sua barriga,
vislumbrar a paisagem
dos seus seios
Maravilhado
pelos contornos do pescoço
a dureza detalhada
do seu queixo,
morrer em longo beijo
Depois de usar
o seu cabelo como corda,
deslizar por suas costas
e amaciar-se em sua bunda
Descobriu uma caverna
de prazeres
Tão detalhada
cheia de vieses
onde deitou seu corpo
em várias vezes

sábado, 15 de agosto de 2015

PanaPaná


Não se vive muito
Não se vive muito bem
Mas se vive um pouco
e se voa um tanto também
Tem-se pouca beleza
Frente a tantos vinténs
Mas tem muitas cores
Preto, branco e desdém
Cheira em belos odores
e putrefatos sonhos de alguém
Pousa em muitas flores
onde o esterco fez seu porém
Pisa e preza as dores
do que lhe mata e mantém
A vida é serventia,
estraga a cada dia meu bem.

quarta-feira, 15 de julho de 2015

sentido

Eu passo ao fundo
em lhe fazer segura
e lhe pertenço

Em um segundo,
tem o absoluto
e me convence

Pois nesse mundo,
tem-se de tudo
e nada tem sentido

O meu estilo
é não ter estilo
e crença

sexta-feira, 10 de julho de 2015

ReCorte

Trafega em seu
bom passo e porte
Seu terno novo
apara o corte
Disse o que houve
sem dar suporte
Ninguém lhe ouve
e o mira forte
Atravessa ao norte
Tem seu porquê
jogar com a sorte
Seu solo tido
estraga o trote
em que antevê
e o acode
Vai em pinote
buscar seu ser
Sacode o ar
em seu transporte
Pensa em saltar?
comporte-se!

sexta-feira, 26 de junho de 2015

ORDEM DE SERVIÇO


Pelo poder afanado, conforme nascimento nunca questionado, ímpeto reconhecido, disposição acentuada. Consoante prenúncio anteriormente censurado, verbo silenciado, palavra engolida; no uso das atribuições nunca conferidas,

     CONSIDERANDO que as pegadas não duram mais que meia hora na areia; que as ondas vêm umas atrás das outras; que o sol seca a chuva;

    CONSIDERANDO que as conchas não decidem quem as pisam ou as prezam; que os tatuís servem de isca; que o robalo vira porção;

    CONSIDERANDO que os rios vertem-se por curvas tortas; que as águas esquentam com os meses; que as cachoeiras secam;

     CONSIDERANDO quando não há mais luz, chovem vagalumes; que o escuro não silencia o barulho; que os olhos se turvam;

     CONSIDERANDO que as ancas encantam os passos e o pescoço segue o trajeto; que o rumo não cessa a ruína; que há tanto desmazelo;

    DETERMINA-SE posição firme perante a vida; que as atitudes sejam de fato; que as palavras não sejam em vão.

Registrada; Publicada; CUMPRA-SE.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Vai Vendo

Já tá na veia
nos envolvendo
Todo conhecimento
num estalo
do dedo
de qualquer sujeito
A tábua do consenso
do consentimento
de um só pensamento
No Conselho
do outro lado
do Planeta
há quem prometa
um encontro
entre um polo
e outro
O clima
já não muda tanto
com o vento
Tem corrente
imponente
em todo canto
Um só mandamento
invade e arrebenta
num tom violento
uma causa
O espaço
do seu sofrimento
se encerra
Põe pra dentro
a fera
e o seu ferimento
em terra


sábado, 13 de junho de 2015

Além do Tempo


O que você é?
Além do tempo
que confeccionou
seu sentido?
Se lhe por ao relento
qual será seu caminho?
sua disposição
O seu pensamento
é passado
Tem-se notado
o seu movimento
encantado
em outra opinião
Anda lado a lado
à ilusão dos seus passos
ante a imensidão
Os seus rumos errados
foram tomados
por pura indução
Se não tiver notado
seu aterramento
foi amarrado no vento
Pode até arrumar
um invento
pra sobreviver

sexta-feira, 29 de maio de 2015

A Receita

Cada conversa
versa
sobre seu lado
Tem demonstrado
o intento
O talento que tem
em si
Violento trajeto
que ostenta
Seu comportamento
Pimenta
Um invento e tanto
Um passo além
Põe tamanco
um metro e noventa
e levanta
fica atento
Qualquer movimento
o encanta
Acende o acento
imanta
Atormenta seu santo
devaneia num canto
inventa
Você tem em seu pranto
o tempo
Seu sustento
o extrato
do seu argumento
A Receita

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Dos Passos D.A.Dos

Trabalho em prédios
mais antigos que eu,
que a vida que levo
Peso o passado
sem saber,
sem querer apagá-lo
e apagando...
vivo o vivido
Meus antepassados
foram tão ou mais
preocupados com o futuro
em que me enquadro
Desse piso pesado,
empanado
e carcomido
Solo aterrado,
entontecido
Deixo o acaso
ser meu vizinho,
meus cantos
que escondem o pecado
de homem esquecido
Antes de ter
abandonado um caminho
que dizia ser
o mais adequado
aos meus filhos

quinta-feira, 7 de maio de 2015

intesTino

Tema
meter-se
em meio
a minha meta

Ate-se
ao seu tino
e preserve
a tensão
do intestino

Tenha
seu viés
na reta,
cometa
o desatino

Trace
sua rota
sem retorno
em torno
ao que lhe afeta

Afeto
ao teto
e o seu
destino
venta

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Espia


Não há rosas sem espinhos
não há vento que navegue
sem medi-lo
Não há cheiros que se entreguem
gustativos
Sem gritar.

Não há cores nas paredes
sem deslumbre
Não há luz que não se veja
em azedume
Não há alegria desprovida de cansaço
tristeza, sem percalço.

Não há rua sem calçada
não há pele nua
sem se ter tapada
não há nova ideia
ainda inventada

Não há palavra sem espaço
não há ponto sem traço
não há gente sem a gente
não há mais quem aguente.
não há sal adocicado.

domingo, 15 de março de 2015

aPátrida

UM PÁRIA
PERECE

SE PERTENCE


A     SI           SÓ



SEM           SUA




P  Á  T  R  I  A
           PERENE

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

(b)Isca

De uma rocha magmática,
foram talhadas suas curvas,
arredondadas suas formas,
em exagerado preciosismo.

O vento aparou seus seios,
o rio formou seu lombo.
Há pólem em seus cílios,
raízes em seu cabelo.

Quando solta-se, alheia,
surge, de imediato, o veio
do metal mais nobre encontrado.

Canta como a sereia,
não mostra a que veio
e afoga o seu convidado.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Na Terra do SOU

Dizem que sou
isso ou aquilo
aquilo outro
e aquilo mais
Um'outra coisa
coisa nenhuma
e eu, tanto faz!

Coisa que é
ou que não é
não importa mais
Importam os Uis
e não os Ais

Se porta um plus
um algo a mais,
porte-se blues
ou parta um jazz

Nos tons de azul
ou de lilás
teu corpo é cool
é habitat

Dizem que sou
isso ou aquilo
aquilo outro
e aquilo mais
Um'outra coisa
coisa nenhuma
e eu, tanto faz!

Se é rock'n'roll
e quer demais
perde um amor
por outros mais

Pode não ser 
o que deseja
mas tem tesão
e brotoeja

Se é bossa nova
ou se não é
só cabe a si
sambar

Coisa que é
ou que não é
não importa mais
Importam os Uis
e não os Ais

Toca seu groove
com entonação
e há quem ouça
samba canção

Suas artimanhas
só vão saber
os que forem
ao menos hipster

Dizem que sou
isso ou aquilo
aquilo outro
e aquilo mais
Um'outra coisa
coisa nenhuma.
Eu, tanto faz!

reCato

Essa noite eu sonhei com a sua boca
E a minha boca junto à sua boca
A nossa pele em relativa união
Os seus destinos todos num tesão.

Imaginei o toque dos seus lábios
Suavemente a mim sendo ajustados
Em um encaixe de amores intrincados
Por meio aos nossos sensos sábios

Se em sonho nos saímos assanhados
Em vida há de haver contatos
Pra nos fazermos realização.

Seus sorrisos mostram seus pecados
Pelos que espero sem recato
Em que quero me afundar, paixão.

desLancha

Moça, passa tua prancha
Surfa Moça!
Deslancha.
Não deixa atoa a tua toada.
Apaixona!

Moça, desliza nessa onda
Flutua moça!
Flana
Não perde teu tempo.
Acontece!

Moça, pisa no meu solo
Caminha moça!
Trilha
Não queima o pé
Pertence!

Moça, entra em minha casa
Deita moça!
Cede
Não nega teu prazer
Vive

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

moi_MÊME


Mesmo que não mame
em meus meios,
memorize um mote
pormenorizado.

Armazene um meme
e semeie o sêmem
do nosso sistema
dinamizado.

Junte-se aos mecanismos
dessa sonsa massa
concatenada.

Fecunde a sua mente
conforme os genes
a transmitem.

[Seremos, todos, nós MEMEs!]

domingo, 25 de janeiro de 2015

Tá daNado


Venha!
Atravesse o rio a nado
A noite,
com perigo ao lado.

Vamo,
tem cerveja e cigarro
Pula!
Não dá esparro.

Anda,
até aqui é raso.
Bóia,
não derrama o vaso.

Corre!
Tem alguma coisa aqui.
Cala,
já é mais que noite.

Ufa!
Já tamo na trilha.
Veja,
o pirilampo alumia.

Para,
onde é o caminho?
Pensa,
qual é o destino?

Vai,
já vamo chegar.
Pisa,
olha a lua lá.

Eba!
olha quanta areia.
Oba!
o mar incendeia.

Olha,
o sol vai nascer.
Sente
o calor em você.

Cara,
não vou esquecer
isso
nem quando morrer.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Há Mais de Meia Década

Até hoje sinto aquele beijo.
Tão curto tempo que até hoje dura.
Não ter tido outro me deixou sem jeito
de lhe olhar de novo sem ser receoso.

Sinto por você, amor sem igual
quero só lhe ver feliz mesmo que ao final
nunca viva junto aos seus carinhos.
Me contento em saber dos seus caminhos.

Estes dias mostram o que guardei por anos,
os seus ventos, suas brisas, ou seus encantos
que me ensinam a me tornar mais leve
não destruir meus sonhos, que me encontram.

Sem os seus defeitos, não se faz possível,
mas não os noto além do invisível
porque são nuances de sua bela forma,
dão caráter ao ideal que me conforta.

Não destrua meus sonhos e não me deixe perdido,
pois lhe quero tanto que não lhe quero mal.
Se não quiser mais o que você já tem,
levante a cabeça, me diga nos olhos.

Eu que não quisera ninguém ao lado
quero você quando precisar de mim.
Quero envelhecer consigo, juntos.
É o que há de mais profundo aqui.

Vai ter que procurar em Marrakech,
Lisboa, Moçambique ou Paquistão
Mas devo estar em Poços, então
Topa morar comigo em qualquer canto.

Sinto cada letrinha digitada no teclado
pra desfazer o caos deste seu vendaval,
seus maremotos que engolem, incontrolados,
os meus vulcões a lhe lavarem o mal.

Deixa o mundo dar seus passos soltos
e um dia vamos pisar a mesma pegada.
Daí levante, pronto, a sua cabeça,
olhe meus olhos e diga se não digita.

Tenho sofrido muito nessa vida
e o único que não posso suportar
são as palavras do seu sofrimento
no mais, tudo pode me atrapalhar.

Não preciso de alianças para o amor
que me faz gaguejar, que me lacrimeja,
que me faz estar ai, estando aqui,
me faz querer viver só pra lhe ver.

Eu tenho a cabeça enterrada nas nuvens,
mas aceito que bote meus pés no chão.
Se se aventurar em minhas ilusões,
pés no chão, nós nas nuvens, não terá trovões.