Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

segunda-feira, 5 de abril de 2021

Dendrito

 Um feixe

puxa um ramo

e derrama o rumo

por engano

A corda estica

e acorda cores

neste pano

Um corpo,

parado na cama,

pede ao fio,

roga ao ramo,

ora à corda

por um curto

- Despeje as dores

do meu plano

quarta-feira, 24 de março de 2021

A realidade é plasma

Desprezado cidadão, 

pedir-lhe-ia perdão 

pelos atos praticados

 em nome desta nação 

já doente e aos pedaços. 

Só que tô em recessão, 

pois tenho uns assuntos pendentes 

com zonas diferentes 

do coração


Inominado sujeito, 

tô que tô sem freio no peito 

e desço abaixo a ladeira da devassidão. 

Já não tenho mais jeito 

e, ainda assim, tenho quem me queira,

 que levante a bandeira, 

hasteada no chão. 


Não tenho mais cores que não sejam cinzas. 

Não tenho mais árvores que não sejam madeira. 

Não tenho mais plantas que não sejam estrume. 

E ainda nem chegamos no cume, 

há muito o que subir, 

para chegarmos embaixo, 

como quem carrega um fardo, 

para depois soltá-lo, 

sem compromisso.


Caro democrata, 

tenho em minhas veias só gordura e açúcar, 

com que se lambuzam velhas sanguessugas. 

Apresento mais doenças que um hospital.

 A saúde é acessório. 

E daí? 

Me diz aí, 

se mesmo assim, 

você não gosta de mim?

segunda-feira, 22 de março de 2021

VAIA

 Ideologia,

eu quero uma pra você,

eu quero uma pra você abandonar

Pois, quando não há razão,

há silêncio

ou gritaria desvairada

A sua propensão à censura

A sua inclinação ao desprezo

Sua sabedoria

vai despencar

do alto do último andar

Seu conhecimento

Seus livros lidos,

eu vou queimar

Vou botar fogo nas suas ideias

Voou achincalhar seus pensamentos

Vou falar

Vou falar

Vou falar muito

Até as suas entranhas me expulsarem

da sua intolerância

do seu desrespeito

E longe de si

ou dentro de si,

por ter sido devorado,

posso ter garantido 

meu direito à alegria

Porque, afinal,

a felicidade é uma obrigação legal


quarta-feira, 17 de março de 2021

Sociedade Ilimitada

 Não quero um sistema 

que me liberte

Mas um mecanismo 

que me permita

Não quero um desejo 

que me devore

Mas um sonho

que se realize

Não quero um sol

que se ponha

Mas uma lua 

que não adormeça

Não quero voar

sem asas

Mas pisar forte

com pés descalços

Eu quero poder pensar

e dizer

o que me contradiz,

em bom som,

com boa dicção:

- Você é quem me faz feliz!

Esse é meu refrão

sem tom,

sem harmonia,

Que diante à sua presença

não tem limites,

não me devora,

não se põe

no alvorecer da aurora


sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

O rei da barriga

 Quebrei muitas coisas

outras tantas, as consertei

Por ser homem de palavras

abri e fechei as travas

corrompi a lei


Deixei pessoas aos prantos

outras tantas, as que amei

Por ter o fulgor, faltava

e quase me arrebentava

nas entranhas, o meu rei


Tenho, em mim, todas as chagas

as que existem e as que inventei

Por mais que buscasse

não me curava

de todos males, os acessei


Voltam a sangrar, as feridas

após anos de escondidas

destrançam-se, as cicatrizes

ampliam a imensidão do tempo

e deixam, em carne viva, o corpo

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

Terreirão

 Não aceita a idade

o rio corrido

as correntes margeiam

os troncos cortados

Não aceita suas rugas

a velhice dada

o caminho traçado

e o percorrido

Não se mete na blusa

com que pulava muros,

roubava frutas

e rezava

Não corre seus passos

e o prazo o engole

acelera o tempo

e reduz o espaço

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

Ca La Nuri

 Do caos

à paz

Da turba

ao isolamento

Dá hora

ao tempo

De mim

para ti

todo o meu vento

sábado, 9 de janeiro de 2021

Tijolo

 


A vida é uma reticência e ponto

Cheia de final sem recomeço

Plena de começos sem fim


A vida são vidas feitas

Sólidas ou rarefeitas

Não permanecem ou passam


Em cada trampolim

Pulamos 

Sem saber o pranto


Temos todos fatos

Em nossa fuça

Mas não há recusa


O que sabemos

Tão pouco vemos

Nos direciona


E nesse fim

Há destino

Ou novo fio



TiTolo

 



Jogo-lhe tijolo

na testa

Por uma finestra


Por todo seu caminho

Tem um carimbo no seio

Bem no meio


O que lhe faz assim

Sendo você, sem mim

São as veias


Um movimento

Carrega seu trilho

Sem desancar


Na correria

Perde seu Lar

E as paredes


Meu tijolo,

Agressão que seria

Constrói!


O seu rumo dói

Destrói

E desfaz