Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

domingo, 3 de junho de 2012

reDoBrado malungo


Voltaram à sincronia, os meus impulsos,
por tempos, afogados em soluços.
E, agora, um corpo cheio de vigor
desponta a reDobrar o que repor.

O passo apressado me expressa,
pronto a apresentar-me à Peça
para ATEAr chamas no unânime
consenso aceito só por pusilânime.

InTento enTornar tumulto em caos,
ir da platéia ao Pal`com paus
armado com medonhos motes.

Toda a ira, em mim, verte-se aos
Pares que BEM saBEM os maus
preceitos imputados com chicotes.

terça-feira, 22 de maio de 2012

CONTRA tudo e todos



diAnte à soLapada e suCUmbida SOciedade
SÓ rESTA o POsto inglóRIO, a inSANIDADE,
pra comBater, nos atos, o HÁbito TIRAno
vincuLado, em pleno erro, ao SER huMano.

HUMANO é SER você em conJUNTO
e não, SOmente, abSORVER o ASSunto
DITAdo, repetidas vezes, no ouvido.
de um ser, de SI, há TEMpos, tolhido.

Por isSo, só lutar é ViVer!
Por isSo, só estar é morrer!
E tudo mais são enGODos.

RESta enLutar-Se e atreVer.
Lhe rESta o chOro ou VOLver
a si CONTRA tudo e todos.

sábado, 5 de maio de 2012

bEla iNOmiNADA

Um só olhar teu me fez cair
em precipitação para o devir
de acolher-te, forte, aos braços meus
para tornar-me eterno semideus.

Num corredor opaco por impuro,
 o teu leve caminhar apuro
a por meu senso estremecido
e a mim, inteiro, embevecido.

Mesmo sem nome ou palavra,
afirmo formar farta lavra
dos mais belos fatos, juntos.

Tua explosiva fronte me enfarta
a ponto de te suplicar, em ata,
que o teu olhar permita os meus assuntos.



quarta-feira, 25 de abril de 2012

Forjado na Bigorna


Põe teus pistões pra bater!
Põe teu metal pra suar!
Põe teus pneus pra correr,
meu coração pra pulsar.

O sangue em teu tanque treme
sob o olhar a te admirar
e, ao teu ranger, teme
o estrondo entoado no ar.

Com ímpeto, forje o vigor
em forte ferro e calor
e nada me faz desmontar.

Se a fêmea fora feita de lata,
seu batucar em aço arrebata
meu peito pronto a'prontar.

segunda-feira, 19 de março de 2012

no cAsco do aCaso


Caso faça prece para o acaso,
quiçá, possa, em pronto prazo,
praticar os ofícios do pecado
e tornar-se, ternamente, abençoado.

Ainda que temido pelo atraso,
o seu porvir pede o arraso
a desbravar um sítio e, arroteado,
clarear caminho ignorado.

Deixe-se levar para dar azo
aos ventos violentos do descaso
e flutue em rumo enviesado.

Mergulhe fundo neste solo raso
para plantar sua semente em vaso
e florescer os frutos do passado.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

leave-A to LIVE



Eu quero vê-la e vivê-la intensa,
quero viver onde mora e pensa.
Estar na seda dos seus brios
e afogar-me em seus raivosos rios.

Os seus olhares partem-me ao meio,
fazem das pedras no caminho, veraneio.
A bruma, tão tranquila, a rodeia
e torna inteira a alma tida como meia.

Um beijo nos derrete ao merecer
a sua boca unida ao entardecer
e ao céu satisfeito, por sereno.

Pretendo abandonar-me por você
e dissolver-me sobre o anoitecer
para fazer, de mim, o seu terreno.

enViVecer


Desiludido por satisfeito
penso não ser sujeito
ao trânsito trivial da vida,
a esperar os passos pra saída.

O tempo espera-nos no leito
para tomarmos proveito
e libertar-nos da enraivecida
ocasião a borrifar-nos pesticida.

EntreLaçamo-nos à comprometida
privacidade, já persuadida
por sermos sós, em conjunto.

Mas se provarmos alternativa
nossa carcaça, por estar viva,
fará, do tempo, o defunto.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

desCabido

Meu vinho sem cor
meu Licor
minha água insalubre.

Não rubro,
não subo mais os buracos,
não me atraco às cortinas.

Me tornei um Doutor.
Um eTerno amor
de viúvas vazias.

Só encontro calor
nas paredes pintadas
de angústia.

Sinto um nobre estupor
de me por
uma algema nas asas.

Gasolina na mente
e premente
uma nova saída.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

desPaLavrado


As mãos correm
pelo corpo
a tatear
toda a planitude
do lugar.

Sem murmúrios
e assovios
nos ouvidos
me sussurram
estampidos!.

Para a falta de palavras
um silêncio ensurdece
me tapa os dons
e agonizo
sem sinal dos sons.

O frêmito do peito
soa surdo
e despreza o batimento
do absurdo.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

sós

Nós não somos nós
a não ser sejamos,
além de nós,
tudo o mais.

Nós só somos nós
se não esquecermos
que o arredor
tal nos faz.

Nós, somente nós
sabemos estar a sós,
indispostos
pr`a paz.

Nós somamos nós
se nos entedermos
nos tratos
e após.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Casmurro

Quero notícias de você
pra me fazer dormir
quero uma nota sua
se eu existir.

Quero Corresponder ao seu desejo
de me esquecer,
mas preciso me informar
cadê você?

Quero saber onde está
aquele seu afago
e não perder aí
seu doce amargo.

Quero me perder assim
para lhe encontrar
fora das vontades
de lhe impedir.

Quero notícias de você
para poder sonhar
um som que seja
pra sentir.

domingo, 8 de maio de 2011

feLicitação (ou Letra Morta)


Investido no poder sobre este corpo
por decreto inderrogável do meu peito
publica-se um certame em mim absorto
no intuito de não ser jamais desfeito.

Como um ato pessoal discricionário,
delineio o requisito imprescindível
para concorrer a um quinhão agrário
de um terreno árido dito indivisível.

Para estar devidamente habilitada
exige-se amar cada pitada
dos fartos desatinos do destino.

Se estiver em nossa alma concentrada
sairá da decisão como a cotada
para ser a vencedora em meu cassino.