Páginas

INQUIETO

"A inquietação através da experiência e da crítica parece que se rompe de encontro a uma rocha profunda, ampla e inamovível de modelos consentidos de interpretação, de lealdades e práticas." (Jürgen Habermas)

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

3 dias sem fim

Enquanto eu gostar de você,
enquanto você gostar de mim,
tudo o que sinto é pra sempre
um futuro infinito sem fim.

Enquanto me quiser ver,
enquanto me disser sim,
o tempo vai se estender
e eu lhe ver a dormir.

Enquanto puder lhe abraçar,
enquanto se deitar aqui,
minha cama será seu lar,
meus planos são todos pra si.

Vai, volta para me ter.
Fica, vou ter com você.
Temos três dias para nos amar
e todo o resto para repetir.

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Mais Que Quando

Já que vamos ser amigos,
mais que amigos,
encha minha casa,
sirva minha taça,
beija-me no rosto.

Já que vamos ser amigos,
muito mais que amigos,
diga o que quiser,
o que lhe der prazer
num e n'outro ponto.

Já que amigos,
mais que amigos,
dê-me um abraço apertado
converse comigo
escute meu choro.

Já que vamos ser,
qu'eu lhe sinta em você,
que sejamos
mais que o quê
e quando.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Ruptura



Um momento
que até agora dura
Meus sentimentos,
nossa mistura

O tempo e a rotina,
seu espaço
em minha retina

Um pensamento impuro,
nosso encontro
e ruptura

Seu pulso lento
me acelera
e consome

O que já não era,
um beijo a mais
e despedida

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

aGuenta

Se pudesse,
eu te desenhava,
pintava tuas cores,
destacava o relevo,
emanava teu cheiro,
me mexia por ti.

Se soubesse,
te escrevia na linha,
descrevia o que tinha,
te leria,
letra p o r letra,
todo teu texto.

Se quiseres,
nos comunicamos
por um sinal,
uma senha,
um sonho
ou engano.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

8 Finos

Quando eu saio
à noite
é sempre lua
CHEIA
Uma ou outra
EsTreLa
ME incendeia
ME chama
Deita sua LUZ
em minha
CAMA
me entrega pra
CADEIA,
e me ODEIA!
e me AMA

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Para não partir

Atravessamos mares pra navegar nossos sonhos,
vencemos moinhos feitos de papel e carimbo
Subimos ladeiras e
subimos ladeiras
Seguramos a distância com um nó
na garganta,
transformado em laço por muitos dedos
Nos demos a mão,
mas queríamos abraços
e tivemos tantos
e tão apertados
que nos deixam marcas
Um conforto de se saber protegido,
um frescor para o suor.
Envergamos a cabeça,
reclinamos o pescoço,
desfolhamos cada livro, cada artigo
Viramos cada copo em ato contínuo
Ébrios, superamos nossos limites,
superamos outros limites
Ultrapassamos fronteiras
para nos achar em si
Gastamos palavras
Engolimos a noite
para, enfim, nos encontrarmos
espelhados nos olhos marejados
de um bom amigo

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Na bossa dos seus beiços

Na borda de um desfiladeiro
eu me seguro, eu me esgueiro.
Entranho nas raízes do seu medo
quando deito os sonhos ao seio.

Eu sei que já faz mais de mês e meio
que não procuro a sombra em seu cabelo,
mas tomo para mim sua água fresca
contando que se porte e me obedeça.

Orbita um mundo todo em sua boca
com gravidade forte, cê me provoca
à um mergulho em seu universo.

Só tenho apego mesmo ao seu pescoço
e giro em torno aos sons que oiço,
pois que em um doce beijo eu me desfaço.

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Cê Mente

O que tens
na mente
é o que te
metem
é o que te
mentem
T'aqui teu
sêmem
T'aqui tua
semente


terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O que vier é Verão

Como o tempo que sou,
após o sol se por,
eu entardeço.

Como o clima que tenho,
mando a chuva
após o vento.

Com o frio que sinto,
eu formo gelo
e me contenho.

Passo e não percebo,
apago e escureço.
Eu não tenho nome

Solto as folhas no chão,
nascem as flores e ostento
e, de novo, eu queimo

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Há de Haver

Onde houver conforto,
onde houver carinho,
onde houver sorriso,
faz o seu caminho

Onde houver certeza,
onde houver ternura,
onde houver beleza,
entra e se segura

Onde houver ouvido,
onde houver conversa,
onde houver abrigo,
nada lhe atravessa

Onde houver silêncio,
houver contentamento,
onde houver sentido,
prenda o pensamento

Onde houver razão,
onde houver destino,
onde houver canção,
viva em desatino.

Onde houver tensão,
onde houver lamento,
não houver paixão,
saia de mansinho.

vAdia

A VIDA
AINDA
SURPREENDIA
NO DIA
DA DESPEDIDA
E MESMO NA
COVARDIA
O DIVERTIA

A VIDA
TÁ DIVIDIDA
EM DÁDIVA
E DÍVIDA
A SAÍDA
É DEIXAR
SENTIDO
EM SI

HÁ NADA
EM CIMA,
QUE ENSINA
COMO VIVE
A VIDA
SADIA
DESAPERCEBIDA
E MACIA

Desompensado

Ainda não esqueço a Juliana,
não me esqueço da Amanda,
não se esquece assim.

Ainda não me esqueço da Renata,
não me esqueço por nada.
não me esqueço da Joana.

Ainda não esqueço a Beatriz,
não esqueço se me fez feliz,
não me esqueço da Soraia.

Ainda não esqueço a Adriana,
não se esquece o que engana,
não esqueço a Catarina.

Ainda não esqueço a Margarida,
não lhe esqueço querida,
não se esqueça de mim.

Ainda não esqueço o meu passado,
não esqueço o que me tem cuidado.
Mas agora, só há espaço pra ti.

scendere


Eu quero beber a noite
quero chover
eu quero me asfaltar no chão
quero chorar

Eu quero pilotar a Lua
me pintar de estrelas
eu quero o escuro
para me apagar

Eu quero reascender
quero nascer de novo
me desencontrar

Eu quero me vestir de grama
quero semear
eu quero florescer meu corpo
não quero parar