Páginas

INQUIETO

"A inquietação através da experiência e da crítica parece que se rompe de encontro a uma rocha profunda, ampla e inamovível de modelos consentidos de interpretação, de lealdades e práticas." (Jürgen Habermas)

segunda-feira, 10 de março de 2014

torna-te


Os acontecimentos têm-se
ante à toda relutância
em dar contradição
à essência.

Um ato é tomado
em tortas circunstâncias,
que te dão direção,
transformam-te em ti.

Ao tom da entonação,
no tempo em que te parte,
tens arte, que te faz existir.

Com o acaso à tona,
te torna,
sem termos como resistir.

domingo, 16 de fevereiro de 2014

consTiTua


me entrosei na panamericana,
após atravessad'os oceanos.
Em ritmo ordenado pela gana,
transitei em torno aos seus enganos.

Ao lhe trilhar em todos os sentidos
fui transformado em parte, aos prantos.
E, caso impeça tal canibalismo,
já vai estar exposta aos danos.

Qual seja o ideário adotado:
fuja ou fique em suporte,
vai ser um código encadeado.

Nos dígitos que nos dão direção,
sou linha avessa à razão
escrita sem ter resultado.

sábado, 21 de dezembro de 2013

emTeuTino


teu tato te tatua
no tempo em que estás, então
do todo, o que compactuas
ata teu tom à intenção.

ante tamanha atitude,
trates de teres virtude:
transe tudo que te dão.

na mente, a intuição
tem que tua atenção
toma o destino em suporte.

se não te aguentam, suturas,
o vento em que te aventuras
tem que tecer tua sorte.


quarta-feira, 16 de outubro de 2013

não ao não


Nenhuma norma anula a Natureza,
enervada em nômades humanos.
O nato entona em defesa
os nomes destinados dos seus manos.

Anunciad'o ânimo e nobreza,
nutre-se o ensino dos enganos,
nega-se o alcance da certeza,
arruinando o plano dos decanos.

A uma única tônica os condena.
Destina o seu sangue à gangrena.
Emana as notas do final.

Reclama os danos d'uma pena
e trama pra tornar eterna
a sua sina em ser vegetal.



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

além

a semente vinga,
devora-se.
Desenvolve
o caule.

Desentranha-se
e envolve-se
na terra.
Desponta.

Soma-se
à conta.
Assombra.

Enfim, emana
antimathusiana
seu sémen, além.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

entreMentes


Se observar a vida de chofre,
mesmo sob o manto da saúde,
verá, a todo canto, amiúde
a ruína por que, tolo, sofre.

O torpor, há tempos,  lhe aturde
sequioso pela terra do enxofre.
Faz-lhe suplicar por ter um cofre
que tranque o ardor da juventude.

Do nascimento à morte, insidiosa,
há mais de mil versões da glosa
para dar fins ao retrocesso.

A vida é mortificação fantasiosa.
Se não tirar tento desta prosa,
devolva, no guichê, o seu ingresso.


quinta-feira, 25 de julho de 2013

vivos voco

Sem razão para crer
nas invenções por aí,
sem sermão sequer
posta-se para iludir.

Comporta-se para conter
preceitos ao incutir
o que julga seu ser
lançar-se como elixir.

Mas, sem solução, se ferra
crente como seus pares.
Perde o duelo e a guerra
lhe faz atrasar hectares.

A razão finca raízes na terra,
a crença joga suas folhas nos ares.
Quando seu vôo se encerra,
deitam no solo os azares.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

iaí

que tal
teu tempo
que tanto
tento
atravessar?
um tormento,
um tonto
intento
em te
trancar.

teus traços
traçam
instintos
e tragam
o éter
dos trópicos
em que teu
destino
entontecido
tenta me
atar.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Fremem

A palavra surge
sem causar espanto,
mas a frase inteira
traz estranhamento.

Outro trecho dito
traz um disparate
e os ouvidos mudos
calam-te.

O discurso segue
e os olhares tortos
tornam rubra a face.

Pelo fim dos versos,
num só solilóquio,
violentam-se.


domingo, 23 de junho de 2013

...

míseros avaros,
ora
inteiros,
metem-se nos vários
arrasos,
entram no terreiro
em transe,
bóiam
no banzeiro
e partem-
me ao meio
termo.

terça-feira, 7 de maio de 2013

inoPinado

Seus traços finos
me travam os pinos,
me fazem pirar.

Por seu encanto,
eu tento tanto
me destravar.

Mas os seus traços
traz`embaraços
ao bem estar.

E me contento
com meu intento
em ser seu par.

quarta-feira, 17 de abril de 2013