Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

domingo, 2 de dezembro de 2007

Estatutos do olhar

Poesia e foto de Raphael Alves

Artigo I

Fica estabelecida como identidade do ser humano não mais sua impressão digital e sua assinatura, mas seu olhar.


Artigo II

Fica decretado que o olhar é bem individual, tal como suas inúmeras interpretações. E é dever de todos respeitar a visão de mundo do próximo


Artigo III

Fica decretado que a beleza está para o olhar como este, por sua vez, está para a alma e que esta aliança entre os três é indissolúvel.


Artigo IV

Fica decretado que é irrevogável, inalienável e irrenunciável o direito de cada um emocionar-se diante das belezas da vida.


Artigo V

Fica proibido o condicionamento do olhar apenas para o mal, tal como qualquer expressão ou indício de indiferença no semblante diante da humilhação e exclusão alheias.


Parágrafo único

O olhar humano passa a ser livre como os olhos do condor que passeia sobre os Andes.


Artigo VI

Fica decretado que a verdade deixa, a partir de agora, de ser uma palavra para tornar-se a característica de cada olhar.
Parágrafo único
Cada dia passa a ser o Dia Oficial do “Olhar Com Bons Olhos”.


Artigo VII

Fica estabelecido que as lágrimas serão o único remédio do olhar sincero para a alma ferida.


Artigo VIII

Ficam estabelecidas como primeira e derradeira comunicações o olhar direcionado a outro.
Parágrafo Único
As palavras tornam-se meras coadjuvantes na comunicação diante da importância do olhar nos olhos.


Artigo IX

Fica estabelecido que a alma será o guia daqueles que, por decisão divina, nasceram sem ou perderam o dom da visão.


Artigo X

Passam a ser as Sete Maravilhas do Mundo:

a) O primeiro abrir de olhos do recém-nascido;

b) O olhar da mãe que amamenta o filho;

c) O olhar do pai que recebe o filho pela primeira vez no colo;

d) O olhar sábio dos idosos;

e) O olhar confortante da amizade;

f) O olhar da criança diante do brinquedo inesperado;

g) O olhar dos casais apaixonados.

E passa, também, a ser dever de todos contemplar, praticar e cultivar esses bens.


Artigo XI

Fica estabelecida a pureza do olhar como a suprema lei: a partir de agora, todos devem alinhar olhos e alma para contemplar o mundo, desbravando-o e redescobrindo-o com o deslumbramento dos olhos de uma eterna criança.





Um comentário: