Páginas

INQUIETO

"Mas sigo o meu trilho. Falo o que sinto e sinto muito o que falo - pois morro sempre que calo." (Affonso Romano de Sant'Anna_Que País é Este?)

quarta-feira, 13 de março de 2013

aMuse-se

Navegue seu apreço em cada letra
e, a cada lance do acaso, me prometa
escorrer, nas lágrimas, o meu sangue
para dar, ao mar, um mangue.

Conserve os fracos galhos na salmoura
para se tornar a mulher que fora
a musa destes versos transviados
que pintam a pele em tons amargos.

Se se soltar do que lhe faz presa,
lhe acolherei com gentileza
para devorar sua perspicácia.

Não posso mais deixar acesa
à vossa ordem vaga, Altesa,
a longa ânsia pela sua audácia.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

aPáLavra

a palavra
repetida
muitas vezes
tem o seu
sentido
suprimido
suprimi
supre

a palavra
tem no seu
sentido
algo
por ter sido
repetiDA
repetIDA
repeTIDA

a palavra
sem ser
dita
teme ter
a sua letra
esquecida
e qu  ci  a
   q    c   a

rePETida
a palavra
su.........
a palavra

a pa lavra
a pa la vra
a p a l a v r a

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

biSonho

um homem metido às soluções
há de enrolar-se em seduções
sensíveis ao seu nutrido sonho.

sua ilusão torna-se confusa
ao ver-se dentro de sua blusa
tão só mais um ser bisonho.

assim, a dor o assola, lancinante,
pois, passa a ignorar, doravante,
o que tornara esse mundo enfadonho.

domingo, 9 de dezembro de 2012

Tais e Quais

Os PAIS
portam-se
tais e quais
os seus ANCESTRAIS
noutro lugar.

E MAIS,
tanto faz
se após ou atrás,
só endossam
os dEMAIS.

Bem perto
do CAIS,
seguram,
em PAZ,
sua prole.

Só seguem
RAIZ
rumo ao rito
onde quis
um FIM.

Os FILHOS
falham na diretriz
de entortarem
as TRAMAS
traçadas.

Postam-se
filhos e pais
como seus ancestrais
noutro TEMPO
e LUGAR.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

aSósCiados

Sim, sou seu
assunto
assumido
e sinto-me
sumido
de mim.

Assim, sento-me
no sotão
do sentido
tecido
em seu
cetim.

Eu sinto
ser tão...
só,
sucinto,
sem lhe
sitiar.

Mas antes
de seguir,
aceite
essa receita:
solte-se
e sinta-me.

E o sonho
sai em seu
sorriso
num só
serviço
a nos saciar.

sábado, 1 de dezembro de 2012

+QimperFeito

Sem coragem de dizer,
de assumir vontades,
as mais íntimas
guardadas no seio,
com medo e vergonha.

Por ser tão duro dar,
a quem mais quis,
o que menos queria,
ter de deixar
silentes os gritos.

Oa abraços não dados,
os beijos suprimidos,
os suspiros,
agora, resquícios
do que não fomos.

Após nos reinventar,
tirar-nos defeitos
e nos preparar,
esquecer-nos
sem leito.

perdiDAMEnte enDiaBrado


Dentro de mim, o magma que aguarda
muda, constante, as chamas desta farda.
Nos olhos, mostra-se o lume esperado
e o som retumba os ares do meu brado.

O sangue ferve diante do fulgor da lava
e me derrete a paciência que pairava
para a corrente incontinente do torpor
a despejar, em fogo afora, o interior.

Capaz de reformar as redondezas
e apagar para criar novas belezas,
devasta as velhas vias do passado.

Cinzas anunciam em sutilezas,
cingidas pelas muitas miudezas,
 um SER refeito por realizado.

domingo, 11 de novembro de 2012

inTeNTona


Atine-se à tônica da jornada,
que a cada tentativa intentada
acrescem impostura na labuta
pra lhe fazer continuar na escuta.

Mas lute contra a luta imposta
que se fizer da outra forma oposta
será contrário ao que, de fato, quer,
indisposto pra peitar o que vier.

Só pode ter, pra si, a vida,
ao viver em constante despedida
da obrigação de estar integrado.

Cada batalha falha, dissuadida,
será a rebeldia, assim, percebida
por tornar o imposto estatelado.


Justa Causa

Atrasados, seus olhares perdidos,
desencontrados,
não buscam a mesma linha.

Aos trancos, seus traquejos
desajustados,
estremecem ao se esforçarem.

Seus impassíveis pulsos,
desempregados,
se distanciam em silêncio.

E seus calados sentimentos
remanescentes
não bastam a lhes justificarem.

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

susPiro

Faz-me brotar,
abrupto,
em solo fértil.

Faça-me viver
de novo e
lhe louvo.

Guie-me por
seu corpo
sem rumo.

Instrua-me
entre seus
sentidos.

Assunte-me
seu sumo
e eu piro.

Faça-me
ser seu
suspiro.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

passarinho

"Sem saber,
ao não querer
me ver,
você
me fez
CHORAR

ainda guardava
AMOR
pelo amigo
em DOR
que eu fiz
PASSAR"

Leseira sua
não é.
minha atitude
é ralé,
um tanto rude
e chulé.

mudo
ao seu suporte,
pront'a um
convescote,
nem me
prontifiquei.

sinto tardia
carga
d'uma vida
passada
a me por
após.

peço a você
(caso possa
agora,
meio à mora,
cortar
caminho...)

se posso ser
sozinho,
sem seu
solzinho,
por eu ser
PASSARINHO.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

direitinho


Por viver'em Singular Sociedade,
os homem'se debat'em vaidade
para saciarem seus sentidos,
darem azo aos anseios suprimidos.

Contudo, TUDO é D.A.Do. à finitude
mesmo os seres cheios de saúde.
Ao notarem, em atraso, que tolhidos,
travam guerra e todos são vencidos.

Percebendo os mesmos erros amiúde,
põ'em paz sua profana latitude
e enlatam regr'aos outros, oprimidos:

"Se cumprires direitinho, não sendo rude,
será concedida, a ti, a (vã) virtude
de esvaeceres, tu, os teus sentidos."